Romeu Júnior – É coordenador judicial de recuperação de crédito. Empresário, acadêmico em Direito. É responsável pelo conexaogentiodoouro.blogspot.com.br. Contatos: romeujunior.santana@hotmail.com / Watshapp: (11) 9 8181-6079.
19 de maio de 2017 | Romeu Júnior

Pior que a corrupção, é a cumplicidade

Político corrupto não tem eleitor, tem cúmplice!

A votação em plenário da Câmara, a respeito das contas do ex-prefeito de Gentio do Ouro, Ivonilton Vieira dos Santos, relativas ao ano de 2014, vem sendo cercada por clima de grande expectativa e muita ansiedade em torno do posicionamento dos vereadores, [e] ao que parece, os nobres parlamentares têm fugido dessa votação, como o diabo foge da cruz.

 

Entre os defensores do ex-prefeito, o discurso que prevalece é o velho pensamento antagônico do ‘rouba, mas faz’. Ora bolas. Político não faz nenhum favor, tem que cumprir obrigações ligadas ao bem-estar e qualidade de vida de toda a população.

 

Para não se tornar inelegível (para as eleições que se realizarem nos próximos oito anos), Ivonilton, vulgo ‘O FILHO DA TERRA’, precisará do voto ‘amigo’ de seis vereadores (dois terços). O vereador que não ratificar o parecer favorável à decisão do Tribunal de Contas dos Municípios (órgão de controle e combate a corrupção), estará assumindo a função de ‘CÚMPLICE’ através da omissão do cumprimento do papel de fiscalizador enquanto agente público, utilizando-se do instrumento ‘VOTO’ apenas para satisfazer interesse ou sentimento pessoal. Além disso, na pior das hipóteses, estaríamos diante de um possível crime tipificado no Código Penal como PREVARICAÇÃO.

 

Lembre-se: Político corrupto não tem eleitor, tem cúmplice!

20 de abril de 2017 | Romeu Júnior

Ex-prefeito Ivonilton Vieira é convocado para prestar contas ao TCM

De acordo com o TCM, a omissão do gestor municipal de prestar contas dos recursos públicos utilizados – como exige a Constituição Federal – poderá acarretar graves punições administrativas, como aplicação de multas, exigências de ressarcimentos aos cofres municipais e rejeição de contas.

O Tribunal de Contas dos Municípios, através de Edital publicado na edição desta sexta-feira (31/03) do Diário Oficial Eletrônico do TCM, convocou o ex-prefeito de Gentio do Ouro, Ivonilton Vieira dos Santos, a prestarem suas contas relativas ao exercício de 2016.

 

A medida foi tomada porque a prefeitura de Gentio do Ouro não cumpriu a obrigação de prestar contas, enviar os dados e apresentar os documentos ao TCM, através do sistema eletrônico e-TCM e do SIGA – Sistema Integrado de Gestão e Auditoria.

 

De acordo com o TCM, a omissão do gestor municipal de prestar contas dos recursos públicos utilizados – como exige a Constituição Federal – poderá acarretar graves punições administrativas, como aplicação de multas, exigências de ressarcimentos aos cofres municipais e rejeição de contas. E também medidas judiciais, como formulação de representação ao Ministério Público Estadual para que se apure e se denuncie a ocorrência de crimes, como por exemplo, de Improbidade Administrativa, que pode resultar até mesmo em pena de privação de liberdade.

 

Além da Prefeitura de Gentio do Ouro, na mesma lista constam, entre outros: Canarana - Reinan Oliveira Santos; Central – Uilson Monteiro;  Irecê – Luiz Pimentel Sobral; Barra do Mendes – Armênio Sodré Nunes; Gentio do Ouro – Ivonilton Vieira dos Santos, Xique Xique – Vilmar Martins dos Santos Junior;  e São Gabriel – Geângela Rocha, na microrregião de Irecê.
20 de março de 2017 | Romeu Júnior

Câmara de Vereadores de Gentio do Ouro vira cabide de emprego

É preciso resgatar a dignidade e acabar com os privilégios!

A Câmara Municipal de Vereadores de Gentio do Ouro é uma das mais antigas de toda a Microrregião. Apesar da longevidade, a Casa parlamentar nunca realizou um concurso público nos seus 126 anos de história, transformando-se em um verdadeiro e grande cabide de empregos.

 

O tal do “cabidão” é utilizado como principal trunfo, é uma verdadeira moeda de troca pelo apoio político e fortalecimento da base; isso ocorre com o fatiamento dos cargos públicos entre os vereadores – e assim - é que se garante o apoio e votos dos parlamentares para eleição de Presidente da Casa.

 

O empreguismo praticado pelos nobres vereadores não respeita os princípios éticos, que exige a contratação através de concurso público, dando a todos o mesmo direito de concorrer a uma vaga no serviço público.

 

Como consequências disso, temos um loteamento e inchaço da administração municipal com a contratação de pessoas apenas pelo critério político, e não técnico.

 

Até quando isso vai durar? É preciso resgatar a dignidade e acabar com os privilégios!
20 de fevereiro de 2017 | Romeu Júnior

Os ventos de Gentio do Ouro valem ouro, e os nossos trabalhadores não valem nada?

A oportunidade de emprego tanto esperada pelos nossos jovens ainda não aconteceu, vez que quase a totalidade dos trabalhadores foi contratada em cidades vizinhas ao nosso município.

Gentio do Ouro situa-se numa região privilegiada do estado baiano em termos de recurso eólico, conforme já apontado pelo Atlas do Potencial Eólico da Bahia e pelo Atlas do Potencial Brasileiro.

 

Devido a esse grande potencial energético, iniciou-se o desenvolvimento de diversos Parques Eólicos, o que deveria propiciar oportunidades de empregos para os jovens do nosso município. Todavia, apesar da grande obra instalada, a contratação de mão de obra local ainda não ocorreu.

 

Não restam dúvidas de que a construção de parques eólicos provocam impactos nos meios físico e socioeconômico, razão pela qual ao conceder a Licença Prévia são estipuladas condicionantes as quais visam mitigar e compensar os impactos produzidos no município.


Por isso, dentre as condicionantes imposta pelo Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (INEMA) -, para liberação da licença, obriga as empresas exploradoras, em elaborar plano de capacitação profissional, cujo objetivo é absorver a mão de obra local, gerando oportunidade de emprego para grande parte da população da área de influência dos parques, no caso, Gentio do Ouro.

 

Ocorre que, a oportunidade de emprego tanto esperada pelos nossos jovens ainda não aconteceu, vez que quase a totalidade dos trabalhadores foi contratada em cidades vizinhas ao nosso município.

 

Com isso, temos uma provável ilegalidade, evidenciada pelo fato de condicionar expressamente a emissão da Licença de Instalação e exploração ao cumprimento da condicionante, no tocante a contratação de mão de obra local – O que na prática ainda não aconteceu.

 

Finalizo argumentando que o não cumprimento de todas as condicionantes contidas na Licença Prévia, em tese, invalida a Licença de Instalação posteriormente emitida; mas para que isso aconteça é necessário união do povo gentiourense e sensibilidade dos nossos representantes para que tomem as medidas judiciais e administrativas cabíveis porque o diálogo junto às empresas de energia eólica se mostrou um verdadeiro escárnio com a população que há tempos vem sendo alimentado com falsas esperanças.

21 de dezembro de 2016 | Romeu Júnior

Legislando em causa própria

Até quando nós, gentiourenses/gentienses, vamos deixar os nossos vereadores legislarem em causa própria?

GENTIO DO OURO | O que parece uma questão lógica sobre a principal função de um legislador, ou pelo menos deveria ser - representar os interesses da população perante o poder público -, não tem feito muito sentido para os vereadores de Gentio do Ouro. Isso porque, de forma imoral, os mesmos se beneficiaram votando em projeto de lei sugerido pelo executivo para aumentar os próprios salários em 25%.

 

Gostaria de saber quais critérios foram usados para fixar o salário em 6 mil reais mensais, pois o aumento do trabalho como vereador e a remuneração média do trabalhador comum municipal, não foi utilizado como referência. Ou seja, não há nada, absolutamente nada que justifique esse aumento, a não ser a “legislatura em causa própria” com o objetivo de garantir privilégios através do uso indevido da lei.

 

O que nos deixa mais perplexos é que antes de aumentar os próprios salários, os nobres legisladores não se comoveram nem um pouco com a situação de crueldade e arbitrariedade imposta aos servidores municipais que estão com inúmeros meses de salários atrasados. Os Professores com remuneração defasada e com vários direitos trabalhistas sendo sonegados.

 

Até quando nós, gentiourenses/gentienses, vamos deixar os nossos vereadores legislarem em causa própria?

23 de novembro de 2016 | Romeu Júnior

Última cartada: Prefeito concede aumento no salário dos vereadores

...Desrespeito, e uma afronta, principalmente para a classe dos professores que são submetidos às péssimas condições de trabalho...

O prefeito de Gentio do Ouro, Ivonilton Vieira, está sentindo o gosto amargo do desprestígio no campo político e o assombramento do fantasma da cassação do seu mandato por supostas irregularidades na aplicação dos recursos públicos.

 

A única forma para livrar-se da pena de cassação é com a obtenção do apoio de, no mínimo, dois terços da Câmara de Vereadores. Com isso, algumas coincidências saltam aos olhos, tornando a realidade perceptível: a primeira coincidência foi o ato de “bondade” para com os nobres vereadores, onde o prefeito sancionou projeto de lei que aumentará os salários dos respectivos parlamentares em 25%. Com isso, cada um dos vereadores passará a receber seis mil reais por mês. É mole?

 

Outro fato bastante intrigante, é que o salário do futuro prefeito e seu vice foram mantidos congelados e não receberão reajuste. Será por quê? Cabe agora aos vereadores, julgar as contas do prefeito Ivonilton, com competência e rigor. Do contrário, ficarão conhecidos como os legisladores que tiveram a coragem de suprimir os interesses do povo em favor de um gestor autoritário e excludente.

 

Por fim, para todos os vereadores beneficiados pelo aumento do próprio salário, com vênia, digo-lhes, que ‘esse aumento foi a mais pura falta de sensibilidade, desrespeito, e uma afronta, principalmente para a classe dos professores que são submetidos às péssimas condições de trabalho, com remuneração defasada, o que acaba contribuído para uma baixa qualidade do ensino.

19 de outubro de 2016 | Romeu Júnior

O remédio do povo é o voto

Com a vitória de Robério Cunha, renasce, agora, “A ESPERANÇA NO FORASTEIRO”.

Às margens de um governo lutuoso, e dentro de um péssimo contexto político, o resultado das eleições em Gentio do Ouro, em 02 de outubro de 2016, evidenciou claramente um grande NÃO ao arrogante e prepotente prefeito Ivonilton Vieira, em sinal da insatisfação popular a uma administração excludente e despótica.

 

Sem zelo algum pelo serviço público e seus munícipes, o Município vive em um verdadeiro regime de caráter autoritário com supressão de todos os direitos básicos. Generalizadamente, os salários atrasados é o que mais representa o baixo nível de autoestima, revolta e pessimismo da população em geral.

 

Com a vitória de Robério Cunha, renasce, agora, “A ESPERANÇA NO FORASTEIRO”... A ESPERANÇA em um Município mais justo, onde os direitos do povo serão valorizados e priorizados. A ESPERANÇA na promoção de uma gestão atuante e participativa.
19 de setembro de 2016 | Romeu Júnior

Perfil dos candidatos a prefeito de Gentio do Ouro

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), eles disputarão a preferência de 8.895 eleitores que irão às urnas no dia 02 de outubro.

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), eles disputarão a preferência de 8.895 eleitores que irão às urnas no dia 02 de outubro.

Nas eleições deste ano, dois candidatos concorrem na disputa pela Prefeitura de Gentio do Ouro. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), eles disputarão a preferência de 8.895 eleitores que irão às urnas no dia 02 de outubro para eleger o candidato que governará Gentio do Ouro, entre 2017 a 2020. 

Conheça o perfil de cada um, elencados por ordem alfabética:


HERMILTON JÚNIOR

 

HERMILTON AMORIM DE CARVALHO JÚNIOR: Nascido em 20 de novembro de 1981, na cidade de Central (BA), filho de Hermilton Amorim de Carvalho, e Walter Lúcia Barreto Carvalho; casado, pai de três filhos. 

NÍVEL DE ESCOLARIDADE: Superior incompleto no curso de Direito pela Universidade, em Salvador.


IDADE: 34 Anos

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: Começou a trabalhar cedo, onde, executou funções como servente em calçamento de ruas, e garimpeiro; sempre conciliando o trabalho com os estudos. 

Em 2005, mudou-se para Salvador, onde iniciou a sua carreira profissional na Empresa RBZ, no cargo de Auxiliar de Cobrança. Ao longo dos sete anos que trabalhou na empresa, chegou a galgar alguns cargos com altos níveis hierárquicos. 

Em 2013, retornou para Gentio do Ouro, e logo assumiu a Secretário de Finanças. No início de 2016, solicitou exoneração para concorrer ao cargo de prefeito.

INGRESSO NA POLÍTICA: No ano de 2016, pelo partido PSD, está concorrendo ao um cargo eletivo pela primeira vez.

 

ROBÉRIO CUNHA


ROBÉRIO GOMES CUNHA: Nascido em 19 de outubro de 1966, na cidade de Gentio do Ouro (BA), filho de Arlete Gomes Cunha, e Getúlio Reginaldo Cunha; casado e pai de uma filha. 

NÍVEL DE ESCOLARIDADE: Formou-se em advocacia, na cidade do Rio de Janeiro, por volta do ano de 2000.

IDADE: 49 anos.

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: Exerceu, temporariamente, a função de Secretário Municipal de Finanças de Gentio do Ouro, no penúltimo pleito do pai, o prefeito Getúlio Cunha. 

Por volta 2005, foi aprovado no exame da OAB e, desde então, vem executado funções na mesma área.

INGRESSO NA POLÍTICA: O primeiro contato com a política ocorreu em 2004, quando fundou, no município de Gentio do Ouro, o Partido Progressista (PP), neste mesmo ano lançou, pela primeira vez, a sua candidatura ao cargo de prefeito; apesar da derrota obteve, ainda, 42% dos votos válidos. 

Nos anos de 2008 e 2012, pelo mesmo partido (PP), concorreu novamente a chapa majoritária, não logrando vitória, em ambos os pleitos.

20 de agosto de 2016 | Romeu Júnior

Memória política de Gentio do Ouro

Em 2008, Ivonilton Vieira derrotou Robério cunha por 483 votos.

Veja tabela ilustrativa.

A história política partidária de Gentio do Ouro, por um longo período foi marcada por acirradas disputas; um dos embates mais emblemáticos foi entre Getulistas e Edmundistas, considerado, por muitos, um verdadeiro ‘duelo de titãs’.

 

Em 2000, aconteceu a última disputa eleitoral; Getúlio Cunha venceu Edmundo (que tentava a reeleição) por uma diferença de 41 votos.

 

Anteriormente, tivemos uma disputa ainda mais apertada, em 1996, quando Edmundo venceu Armênio, por nove votos. Na época, Edmundo teve 2.445 votos, contra 2.436 votos de Armênio.


Depois disso, a diferença entre o vencedor e o segundo colocado foi maior. Em 2004, José Henrique obteve 893 votos a mais que Robério.

 

Nas eleições de 2008, a diferença voltou a se estreitar, e Ivonilton Vieira derrotou Robério cunha por 483 votos.

 

Através do mecanismo da reeleição, em 2012, com 1.858 votos de vantagem, Ivoniton foi reeleito no comando do Município por mais um mandato.

 

A eleição vem aí! Vencendo com 01, ou com 1000, é dever governar a favor da promoção do bem-estar de todo povo "Gentio".
19 de julho de 2016 | Romeu Júnior

Legislativo de Gentio do Ouro e seu baixo índice de renovação

A falta do desejo de renovação nas ideias e ações do legislativo fez com que apenas 18% da Câmara fosse renovada nas eleições de 2012.

O baixo e histórico índice de renovação da Câmara de Vereadores de Gentio do Ouro contrasta com os quase 130 anos de emancipação política do Município.

 

No último pleito, das 9 vagas em disputas, todos os vereadores tentaram renovar seus mandatos e, destes, apenas três não foram reeleitos. Foram eles: Renato Juvenal (PP), Enéas Ribeiro (PSD) e Luiz Pereira (PSD).

 

A falta do desejo de renovação nas ideias e ações do legislativo fez com que apenas 18% da Câmara fosse renovada nas eleições de 2012 com os candidatos estreantes:  Íris (PDT) e Nogueira (PSD). A outra cadeira foi ocupada pelo veterano Welington Souza (PDT), que voltou a exercer o mandato depois de quatro anos.

 

Detentor de seis mandatos, o vereador Alfredo Franca Neto (PC do B), encabeça a lista dos políticos que vêm fazendo carreira como vereador, assumindo o primeiro mandato  em 1992; ao todo, serão 24 anos consecutivos sem desocupar a cadeira na câmara.

A expectativa para esse ano, portanto, é de que a mudança de fato aconteça para a tão necessária oxigenação do sistema político de Gentio do Ouro, tendo em vista, que muitos políticos objetivam apenas a perpetuação no poder utilizando dos meios escusos e, apostando, principalmente, na falta  de consciência da maioria do eleitorado.

21 de junho de 2016 | Romeu Júnior

Em ano eleitoral, São João de Itajubaquara vira palanque político

...Mais uma evidência de atos rasteiros e sorrateiros praticado pelo ‘digníssimo Senhor Prefeito’.

22 DE JUNHO | Ismael Pliveira, Gil Baianinho, e Zé Carlos dos Teclado. DIA 23 | Amor de Cinema, Dgandaya, e Banda Raízes. DIA 24 | Osni Alves, Brilho do Ouro, e Zé carlos dos Teclados.

GENTIO DO OURO | O São João do distrito de Itajubaquara é um dos mais importantes, tradicionais e melhores arrasta pé da região. Em ano de eleições, a festividade religiosa ganha maior importância no calendário Municipal; isso, devido ser o “pontapé inicial” da corrida a cadeira do executivo de Gentio do Ouro em 2016.

 

O anúncio das atrações deste ano, que leva o brasão da Prefeitura Municipal, destaca, dentre outras, a contratação do Cantor Osnir Alves, Gil Baianinho, Amor de Cinema e Dgandaya.

 

Diferente do São João de 2015, onde a Prefeitura não realizou o tão tradicional Festejo Junino. Mas a população, em demonstração de união e força em prol da valorização e continuidade do São João, se mobilizou, e a festa aconteceu de forma esplendorosa, suprindo todas as expectativas.

 

Já que estamos às margens do pleito eleitoral, não resta dúvida que a programação do São João de Itajubaquara de 2016 teve como principal objetivo o palanque político para fim eleitoreiro, onde, a administração Municipal, através do uso arbitrário da máquina pública, tenta ludibriar o eleitorado local e, consequentemente, angariar votos para manutenção do poder e continuísmo de uma administração autoritária e sem critérios de prioridade.

 

Por fim, isso é mais uma evidência de atos rasteiros e sorrateiros praticado pelo ‘digníssimo Senhor Prefeito’.

20 de maio de 2016 | Romeu Júnior

'Continuísmo' do poder político

A principal razão desse continuísmo é o eleitor que, na maioria das vezes, negocia seu voto sem avaliar as consequências...

GENTIO DO OURO | O cenário político partidário do município de Gentio do Ouro (BA) sempre foi marcado pela pulverização entre os candidatos e a tradição das disputas acirradas.

 

Em 1º de outubro de 2000, com as eleições municipais, iniciou-se uma hegemonia na sucessão política, que perdura por quase 16 anos. O ciclo se originou com Getúlio Reginaldo Cunha, dando sequência com José Henrique Rodrigues de Queiroz,  e Ivonilton Vieira dos Santos.

 

Getúlio Reginaldo Cunha (Pleito 2001 a 2004) 
Derrotou, com 41 votos de vantagem, o candidato a reeleição Edmundo Pereira Bastos, nas eleições de 2000. Restando aproximadamente dois anos para o término do seu mandato, e por infortúnio do destino, Getúlio veio a falecer repentinamente.

 

José Henrique Rodrigues (Pleito 2002 a 2008) 
No posto de vice-prefeito, sendo o 1º na linha de sucessão, José Henrique assumiu no ano de 2002, a cadeira do executivo municipal. Nas eleições de 2004 garantiu a reeleição derrotando o candidato Robério Gomes Cunha, filho de Getúlio Cunha.

 

Ivonilton Vieira dos Santos (Pleito 2009 a 2016) 
Secretário de finanças e homem de “confiança” do prefeito José Henrique, logo, recebeu o apoio para ser seu sucessor nas eleições de 2008, onde com uma larga vantagem de votos, consagrou-se eleito e, posteriormente, reeleito; derrotando também o candidato Robério Gomes Cunha.

 

Por vezes, a principal razão desse continuísmo é o eleitor que, na maioria das vezes, negocia seu voto sem avaliar as consequências.

19 de abril de 2016 | Romeu Júnior

Prefeito abandona cidade

O infortúnio está em todas as áreas, onde, todos os serviços públicos de competência da prefeitura funcionam precariamente e a população se vê acuada...

GENTIO DO OURO | Eleito em 2008, e reeleito em 2012, hoje, às margens do seu último mandato, o prefeito do município de Gentio do Ouro (BA), Ivonilton Vieira dos Santos, parece que pouco ou nada se importa com a situação do Município, que está abandonado à própria sorte.

 

O infortúnio está em todas as áreas, onde, todos os serviços públicos de competência da prefeitura funcionam precariamente e a população se vê acuada, pois, a má qualidade de vida é visível em todas as áreas.

 

O descaso e a precariedade são os cartões-postais de todo o Município, que se materializam principalmente em praças e quadras abandonadas, obras inacabadas, salários de servidores atrasados, vias esburacadas, educação estagnada, e a saúde à beira do colapso.

 

Enquanto isso...

 

Paradoxalmente ao abandono da prefeitura e de seus munícipes, através da renúncia do conjunto dos deveres, atribuições e responsabilidades que o cargo exige, o prefeito não é nem um pouco frequentador assíduo da sede do executivo municipal; ao que aparenta, o seu tempo e esforços estão sendo dedicados exclusivamente para gerir as finanças da sua própria empresa (uma fábrica de telhas e blocos de cerâmica) onde, na maioria das situações, a mesma serve como ‘gabinete’ de despacho do executivo municipal.

 

Tudo isso porque a legislação impede o exercício da capacidade do executivo para o terceiro mandato consecutivo?
03 de março de 2016 | Romeu Júnior

Gentio do Ouro e as novas práticas do “esporte às escuras”

Em meio à escuridão, a única luz que reflete é a da falta de interesse e de iniciativa das nossas autoridades locais... 

As inovações de diversas modalidades esportivas estão perto de serem desenvolvidas em Gentio do Ouro. A mais prestigiada será o “futebol às escuras”, praticado excepcionalmente em condições de blecaute.

 

Sem energia elétrica desde novembro do último ano, o Complexo poliesportivo Gildásio Barreto, será o local adequado para “as novas práticas esportivas”. Isso deve-se ao fato da falta de manutenção nos serviços de iluminação pública que não estão sendo executados pela administração municipal.

 

Construído à beira de uma eleição e inaugurado em 23 de outubro de 2009, o Complexo Poliesportivo representa um dos únicos meios para realizações de práticas esportivas em um município totalmente carente de lazer.

 

Em constante estado de “apagão” o nosso Poder Legislativo (como era de se esperar) não registrou até o presente momento nenhum pedido formal exigindo o restabelecimento do serviço de iluminação pública nas dependências do Complexo.

 

Em meio à escuridão, a única luz que reflete é a da falta de interesse e de iniciativa das nossas autoridades locais na solução da demanda; sustentada na apatia política e na falta do espírito de ação.

10 de fevereiro de 2016 | Romeu Júnior

Prefeitura de Gentio do Ouro e o dilema dos salários atrasados

Muitos servidores prevendo possíveis represálias optam pelo silêncio do que ter que reivindicar pelos os seus direitos.

 

Inúmeros servidores da rede municipal de Gentio do Ouro seguem com o clima da falta de estabilidade, revolta e do pessimismo quanto à regularização e a normalização dos seus pagamentos.

 

A constante presença do fantasma dos salários atrasados é algo que permeou toda administração do atual gestor e de seus antecessores, gerando o histórico e vergonhoso saldo político da 1ª paralisação do funcionalismo público municipal e a 1ª propositura dereclamação trabalhista coletiva.

 

Não há trâmite que justifique os atrasos. É algo inaceitável e repugnante o trabalhador não receber seus merecidos proventos. Algo que põe em risco a subsistência de muitas famílias, pois, os servidores são verdadeiros arrimos de família e os salários são seus únicos pecúlios.

 

Infelizmente, em Gentio do Ouro, em especial, a classe docente ainda encontra raízes amargas para ministrar o ensino, caracterizado pela desvalorização e a falta de respeito.

 

Devemos sempre desobedecer ao que está errado, principalmente quando nossos direitos estão sendo sonegados; porém, muitos servidores prevendo possíveis represálias optam pelo silêncio do que ter que reivindicar pelos os seus direitos.

12 de janeiro de 2016 | Romeu Júnior

Gentio do Ouro tem alto custo financeiro com vereadores ineficientes

O legislativo do Município deveria custar menos e produzir mais. Não se pode admitir tanta indolência.

Sai, anualmente, do bolso dos gentiourenses, mais de meio milhão de reais pela manutenção dos nove  vereadores do município de Gentio do Ouro, na Bahia; o valor é pago para um vergonhoso expediente de 1 dia por semana.

 

As cifras monetárias pagas por dia trabalhado chegam a indignar pela exorbitância do valor, ultrapassando o importe de 11 mil, ou seja, cada vereador recebe por sessão parlamentar a importância aproximada de R$ 1.200,00 (Um mil e duzentos reais).

 

A composição da casa é do mais variado e burlescos gêneros. A situação se torna mais onerosa, pela ineficiência dos vereadores, com honrosas exceções de um ou dois. O restante, não tem vontade própria e nem preparo suficiente para o exercício parlamentar, se tornando apenas carimbador dos desejos do executivo.

 

O legislativo em Gentio do Ouro deveria custar menos e produzir mais. Não se pode admitir tanta indolência.

 

2016 é um ano de eleições. E antes de votar, analise com o máximo rigor o "CURRÍCULO” do candidato.